Finanças

Como Poupar Dinheiro

Como Poupar Dinheiro A maioria das pessoas ganha mais de mil reais por mês. Pagando as contas e ainda sobra uma graninha extra. Mesmo que você guarda uns 100 reais esse mês, mais uns 50 no outro, acaba usando para alguma coisa e míseros R$ 1000,00 não chegam nunca. Pagar um produto em 10x de R$ 100,00? Facil. Colocar isso na poupança já são outros quinhentos. Como poupar bastante dinheiro rápido? Existe uma técnica para poupar, chamada 52 semanas. É uma técnica onde você deposita toda semana no banco uma quantidade de dinheiro. Ela é sagrada e você não deve mexer nela. Ela começa com apenas R$ 1,00. Isso mesmo. O ideal é que, se você puder depositar MAIS, deposite. Porém, respeite sempre o mínimo de depósito daquela semana. Ficou curioso? Segue tabela: Semana 1 R$ 1,00 Semana 2 R$ 2,00 Semana 3 R$ 3,00 Semana 4 R$ 4,00 Semana 5 R$ 5,00 Semana 6 R$ 6,00 Semana 7 R$ 7,00 Semana 8 R$ 8,00 Semana 9 R$ 9,00 Semana 10 R$ 10,00 Semana 11 R$ 11,00 Semana 12 R$ 12,00 Semana 13 R$ 13,00 Semana 14 R$ 14,00 Semana 15 R$ 15,00 Semana 16 R$ 16,00 Semana 17 R$ 17,00 Semana 18 R$ 18,00 Semana 19 R$ 19,00 Semana 20 R$ 20,00 Semana 21 R$ 21,00 Semana 22 R$ 22,00 Semana 23 R$ 23,00 Semana 24 R$ 24,00 Semana 25 R$ 25,00 Semana 26 R$ 26,00 Semana 27 R$ 27,00 Semana 28 R$ 28,00 Semana 29 R$ 29,00 Semana 30 R$ 30,00 Semana 31 R$ 31,00 Semana 32 R$ 32,00 Semana 33 R$ 33,00 Semana 34 R$ 34,00 Semana 35 R$ 35,00 Semana 36 R$ 36,00 Semana 37 R$ 37,00 Semana 38 R$ 38,00 Semana 39 R$ 39,00 Semana 40 R$ 40,00 Semana 41 R$ 41,00 Semana 42 R$ 42,00 Semana 43 R$ 43,00 Semana 44 R$ 44,00 Semana 45 R$ 45,00 Semana 46 R$ 46,00 Semana 47 R$ 47,00 Semana 48 R$ 48,00 Semana 49 R$ 49,00 Semana 50 R$ 50,00 Semana 51 R$ 51,00 Semana 52 R$ 52,00 Parece simples, não é? Pois saiba que no final da semana 52, você terá nada menos do que R$ 1378,00! Isso se você depositar sempre o mínimo. O ideal é que você deposite um pouco a mais nas primeiras semanas (que são valores mais baixos). Pra brincadeira ficar ainda mais legal (e você não cair na tentação) o ideal é você não olhar o saldo da sua conta. Depositando um pouco a mais toda semana, quem sabe você junta R$ 2000,00 e nem percebe? Essa é uma das ótimas maneiras de como poupar bastante dinheiro rápido...

Leia Mais »

Como Economizar no Supermercado

Como Economizar no Supermercado Equilibrar as contas domésticas é um desafio e tanto. Aqueles que conseguem guardar dinheiro para uma reserva de emergência ou para um objetivo a longo prazo podem ser considerados quase heróis das finanças domésticas uma vez que, para a maioria, sempre acaba sobrando mês ao final do salário. Algumas atitudes simples precisam ser adotadas quando essa situação se torna frequente e começa a se agravar a cada novo mês. Usar o cartão de crédito e outras medidas paliativas nem sempre é a melhor opção, já que essas contas também deverão ser pagas no futuro próximo. Dessa forma, vale a pena investir em algumas mudanças de comportamento para arrancar o problema pela raiz, livrando-se dos gastos em excesso e não apenas maquiando-os com soluções temporárias. Uma das mudanças mais importantes para quem precisa cortar gastos diz respeito às compras da casa. Segundo Luiz Carlos Ewald, economista e autor do livro “Sobrou dinheiro!: lições de economia doméstica”, a família brasileira gasta cerca de 25% de sua renda com alimentação. Isso significa que, se você mora sozinha, anda comendo um quarto do seu salário todos os meses. Para minimizar os gastos no supermercado basta seguir algumas dicas básicas. Faça uma lista Abra os armários, olhe como está a geladeira, verifique seus estoques e faça uma lista de compras antes de partir para o supermercado. Anote o que é necessário trazer para casa e em quais quantidades. Uma boa maneira de saber quanto comprar é começar a fazer uma média de consumo durante dois ou três meses. Assim você evita excessos e, consequentemente, desperdícios de produtos e dinheiro. Aproveite as ofertas Se possível, vá mais de uma vez por mês ao supermercado. Dessa forma você poderá aproveitar as melhores ofertas de cada lugar. Caso você não disponha de muito tempo, aprenda a optar pelas marcas mais baratas. Acredite: centavos a menos em cada produto representam uma boa economia no final do mês. Não vá ao mercado com fome “Não é fome, é vontade de comer” – esta é uma confusão comum. A chamada fome psicológica é uma armadilha na hora de fazer compras. A fome fisiológica, que é a fome de verdade, induz à esse outro tipo de fome, que te faz sair comprando todas as guloseimas que encontra pela frente. O problema é que, além de não consumir tudo o que comprou no impulso, essas guloseimas encarecem a conta....

Leia Mais »

Economizar nas compras do fim de ano

Economizar nas compras do fim de ano Com a aproximação do fim do ano, muitas pessoas começam a se preparar desde já para os gastos que terão com as diferentes festas realizadas no período e ainda situações que costumam consumir um bom dinheiro. Para celebrar Natal, Ano Novo, diferentes comemorações de amigo secreto – com amigos e colegas de trabalho, entre outros -, festas de encerramento do ano para os filhos e muitos outros gastos como viagens e encontros típicos do clima de verão e férias escolares. Para se ter uma ideia de como a chegada de dezembro representa o aumento de algumas despesas, o presidente do Instituto Dsop de Educação Financeira, Reinaldo Domingos, alertou em seu site pessoal que os gastos excessivos (aqueles que poderiam ser evitados) de uma família podem representar entre 30% a 40% da renda mensal. Apesar do alerta, vale lembrar que, atualmente, economizar não é sinônimo de passar vontade. Dá para encontrar os amigos e familiares para celebrar o fim de uma temporada e atender aos desejos de filhos. No entanto, para não complicar as contas, é preciso repensar quais despesas são realmente necessárias, para não cair em uma cilada e começar o ano no vermelho. Com o objetivo de te ajudar a se preparar para o fim de ano, selecionamos algumas dicas e orientações para você aproveitar ao máximo as festas sem extravagâncias. Afinal, ninguém quer iniciar o próximo ano com o pé esquerdo, não é mesmo? Confira! Para você se organizar da melhor maneira, coloque em um papel, primeiramente, todos os ganhos (renda fixa e rendimentos extras como, por exemplo, o 13º salário, bonificações e férias). Em seguida, liste as despesas – desde as fixas até as variáveis – e verifique se há pendências financeiras. Depois de fazer todo esse planejamento, você conseguirá saber quanto será possível reservar para os gastos de fim de ano sem se endividar. Não compre por impulso e seja original Antes de sair às compras, é legal fazer uma lista com tudo o que você precisa realmente adquirir para o período. Isso evita chegar na loja ou supermercado e escolher algum produto por impulso ou porque não tinha certeza se aquilo era mesmo necessário. Quando visitar um shopping e se apaixonar por uma roupa, reflita bem sobre a importância e se realmente essa peça será útil. O mesmo raciocínio vale quando pensar em presentear alguém. Outra dica bem interessante e econômica para presentear amigos é ser original. Muitas vezes uma lembrancinha que tenha bem o perfil do presenteado faz mais sucesso do que algo mais extravagante. Sendo assim, uma foto bonita e impressa pode ser um presente e tanto, assim como um souvenir de um filme ou série que a pessoa ame. Identificar algo que a pessoa vá gostar não significa encontrar um presente que tenha um preço alto. Sem contar que fazer um presente personalizado e...

Leia Mais »

Dicas para evitar o endividamento e a inadimplência

Dicas para evitar o endividamento e a inadimplência Planejar antes de começar um financiamento, fazer uma planilha com o orçamento mensal e utilizar cheques e cartão de crédito com cautela são dicas fundamentais para o consumidor não acumular dívidas. Recentemente, o governo tem colocado em prática uma série de medidas para reduzir as taxas de juros cobradas pelos principais bancos do País. A ideia é manter a economia aquecida e a estratégia principal é o estímulo ao consumo, especialmente de bens duráveis. No entanto, os elevados índices de inadimplência têm demonstrado que esse consumo pode não estar sendo muito bem planejado pelas famílias brasileiras. Para evitar que a compra de seu carro, casa ou eletrodoméstico o leve a uma situação de endividamento em excesso e, consequentemente, à inadimplência, o Idec preparou uma série de respostas para as perguntas mais frequentes em relação ao tema e também apresenta algumas dicas para que o consumidor mantenha as finanças organizadas. Qual a diferença entre endividamento e inadimplência? Quando uma pessoa pega emprestado recursos financeiros para adquirir algum bem, ele está se endividando. O excesso de dívidas pode levar o consumidor à situação de inadimplência, que é quando não se consegue pagar um compromisso financeiro até a data de seu vencimento. Como o consumidor pode evitar o endividamento excessivo ou superendividamento? A regra principal para evitar o endividamento excessivo ou superendividamento é não deixar que as parcelas dos empréstimos ultrapassem 30% da renda mensal familiar. Se isso acontecer, o consumidor terá dificuldades em arcar com as despesas básicas do dia a dia. Fazer uma planilha com o orçamento doméstico mensal e saber exatamente o valor da sua renda para saber quanto poderá gastar são dicas fundamentais para que o consumidor não acumule dívidas. Também é aconselhável optar pelo pagamento de menor quantidade de parcelas em um financiamento para evitar o pagamento de juros altos por um longo período. Quais são as recomendações antes de começar um financiamento? A primeira recomendação é planejar. Fazer um empréstimo em uma situação emergencial ou desesperadora não dá certo. O consumidor precisa analisar sua capacidade de pagamento, lembrando sempre que os cálculos não devem se basear no valor do salário, mas no que sobra depois do pagamento das contas do mês e outras dívidas que já possua. Imprevistos como desemprego ou doença devem ser levados em consideração. Diminua gastos desnecessários e tenha controle do seu dinheiro. Antes de começar um financiamento, o consumidor precisa saber que tipo de crédito é o mais adequado para a finalidade dele. Se for para aquisição de bens, procure a linha específica ao invés de simples empréstimos pessoais. As linhas específicas para a aquisição de bens costumam ser mais baratas, porque o bem fica como garantia. Fuja de crédito caros como cheque especial ou cartão de crédito. Para uso do dinheiro sem finalidade específica, compare empréstimos pessoais em diferentes bancos. É importante, ainda,...

Leia Mais »

Como Usar o Cartão de Crédito ao seu Favor

Como Usar o Cartão de Crédito ao seu Favor A princípio, o cartão de crédito surgiu para trazer muito mais facilidade para o dia a dia das pessoas. Permitindo realizar compras e pagar depois, é um instrumento excelente para quem quer adquirir um produto ou serviço e não pode fazer o pagamento imediatamente. No entanto, se não utilizado de forma responsável, pode comprometer todo um orçamento e gravemente endividar o usuário. Um dos principais problemas do cartão de crédito é dar ao usuário a ilusão de que pode gastar dinheiro sem realmente tê-lo. Na verdade, toda compra é a prazo, ou seja, eventualmente, ela deverá ser paga. Só que, com um uso estratégico e responsável, o usuário pode aproveitar muitas vantagens do cartão de crédito e otimizar as suas finanças. Veja a seguir 7 dicas para usar o cartão de crédito ao seu favor: Nunca pague só o mínimo As bandeiras de cartão de crédito oferecem ao usuário a possibilidade de pagar apenas uma parte da fatura em vez de optar pelo valor total. Aí está uma das maiores armadilhas no uso do cartão, pois pode acabar prendendo uma pessoa a dívidas por bastante tempo. Afinal, com o pagamento do mínimo, vão aumentando os juros e o valor devido. Renegocie a anuidade Na maioria dos casos, a anuidade é aquela taxa cobrada de todos os usuários pelos serviços prestados pelo cartão de crédito. Em geral, é uma quantia cobrada de forma parcelada, que aparece todos os meses na fatura. Na realidade, trata-se de um valor que pode ser renegociado com o banco. Os especialistas recomendam entrar em contato com a instituição e encontrar um acordo mais vantajoso. Afinal, o cliente sempre pode cancelar aquele cartão e passar a usar o de um concorrente. Nunca atrase o pagamento Parece básico, mas é o principal problema de quem acumula uma dívida e fica preso a ela por muito tempo. As companhias de cartão de crédito lucram e se mantém em negócio graças ao que é faturado com os juros de quem deve para elas. E eles costumam ser bem agressivos. Tenha em mente a data do vencimento do seu pagamento e nunca deixe que ele atrase. Planeje suas finanças Ajuda em muito no item anterior se o seu consumo é regrado. Por definição, o cartão de crédito incentiva o consumo de produtos pelos quais não podemos pagar ainda. É importante focar na seguinte ideia: somente faça uma compra com o cartão de crédito se você tem certeza de que dinheiro entrará para realizar este pagamento. Considere sempre a data de vencimento da fatura e as movimentações da sua conta. Atenção aos cartões de lojas A maioria das lojas de departamento e roupas possuem cartões próprios, que prometem descontos exclusivos nos produtos daqueles estabelecimentos. Muita atenção ao utilizar estes cartões, já que, apesar de parecerem trazer muitas facilidades, podem esconder tarifas ocultas...

Leia Mais »

Dicas para economizar no supermercado

Dicas para economizar no supermercado Defina seu limite Estipule um valor máximo para gastar na sua compra. Lembre-se de que é você quem prioriza as necessidades na sua vida, não as “promoções” de um estabelecimento comercial. Ao atingir o limite que você fixou, pare de comprar. Faça uma lista de compras Elabore uma lista prévia do que você realmente precisa e, mais importante, siga-a com disciplina. Planejamento evita desperdícios, como comprar produtos repetido, por impulso ou em quantidade maior do que o necessário. Organize a lista por seção do supermercado Seja organizado já na lista de compras, agrupando produtos que ficam próximos –por exemplo: produtos de limpeza, higiene pessoal, enlatados etc.. O resultado: uma experiência mais rápida, objetiva e fugindo das compras por impulso. Pesquise os preços, inclusive em atacadões e ‘atacarejos’ Faça uma pesquisa de preços antes de decidir onde vai fazer as compras. Considere também comprar em atacadões e atacarejos, que prestam um serviço mais simples e, em contrapartida, tendem a oferecer preços finais menores para o consumidor. Se a família for grande, talvez compense comprar nos atacados. Prefira comprar na segunda quinzena do mês A maioria dos consumidores compra no início do mês. Na segunda quinzena há uma queda normal de vendas, e as empresas ficam mais propícias a fazer promoções para melhorar o fluxo de caixa. Evite ir ao supermercado lotado O excesso de gente pode gerar um falso “senso de urgência” no consumidor e fazê-lo comprar mais do que o necessário ou sem pensar antes. Nunca vá às compras com fome A fome atrapalha na hora de calcular a quantidade de produtos de que você realmente precisa. Resultado: acaba comprando coisas demais. Ou, então, cai na tentação e compra alimentos que não estavam na lista. Levar a(s) criança(s) ou não? Se for sem a(s) criança(s), você evita a pressão para comprar produtos supérfluos, já que os pequenos são alvos fáceis para o marketing. Por outro lado, se levá-la(s), tem a chance de ensinar que não se pode comprar tudo o que quer. Não vá ao supermercado passear Ficar andando com o carrinho pelos corredores é um prato cheio para cair na armadilha das compras por impulso. Supermercado não é lugar de passear. Só vá se precisa mesmo comprar alguma coisa. Entre, faça suas compras e tchau. Cuidado com os truques e ‘armadilhas’ de marketing Tudo no supermercado é feito para você gastar mais: a música, a claridade, os corredores longos, a posição dos produtos etc.. Chocolates e doces costumam ser colocados ao alcance das crianças. Produtos essenciais costumam ficar no fundo para fazer o consumidor percorrer todos os setores. Leve uma calculadora Leve sua calculadora e confira com cuidado se os preços são bons para você. Além do preço, considere a quantidade. Por exemplo, o produto X custa R$ 5 e o Y, R$ 8, mas o X tem 500 gramas e o Y,...

Leia Mais »