Controlar o Orçamento Doméstico

O cartão de crédito pode ser seu melhor parceiro ou o vilão das suas dívidas.

O cartão de crédito pode ser seu melhor parceiro ou o vilão das suas dívidas. Comprar aquele vestido lindo e pagá-lo em várias parcelas sem juros é uma das vantagens de ter um cartão de crédito. Mas o tiro pode sair pela culatra se você não souber como usar esse brinquedinho. O problema está em acumular parcelamentos sem se dar conta de que a fatura vai chegar no próximo mês. É aí que você toma aquele susto! A recomendação do consultor? O limite do cartão deve ser de até 50% do seu rendimento. A MELHOR DATA PARA: Compras: A fatura é calculada 5 a 10 dias antes da data de vencimento. “Exemplo: o vencimento é no dia 15. A fatura é encerrada no dia 10. Sendo assim, se você comprar no próprio dia 10, terá pela frente 35 dias para quitar a dívida”, diz Farinhas. Assim manterá total controle para a melhor data de compra. Ligue para a administradora do cartão para descobrir a data de fechamento da fatura. Vencimento: O ideal é que você pague a fatura no dia em que recebe o salário, para garantir o pagamento total. A boa opção é colocar a fatura em débito automático. POSSO TER MAIS DE UM CARTÃO DE CRÉDITO? Ter muitos cartões de crédito pode ser um problema se você perder o controle. “Se recebe o salário a cada 15 dias, pode trabalhar com dois cartões com datas de vencimentos e operadoras diferentes. Se uma falhar, tem a outra”, diz Farinhas. Mas lembre-se: cartão não é dinheiro a mais para você gastar e sim uma quantia emprestada (do banco) que terá que pagar na data combinada. PARCELAS SOB CONTROLE Uma das vantagens do cartão de crédito é que você pode parcelar suas compras. O problema é quando se esquece delas e vai acumulando dívidas para os próximos meses. “Parcele em menos vezes. Além disso, observe na fatura a informação sobre o total de compras a prazo e quanto da sua renda já está comprometido para o próximo mês”, diz o especialista. Atenção, amiga: você tem de se programar! PAGUE O VALOR TOTAL DA FATURA Nunca pague o valor mínimo da fatura! “Isso porque serão cobrados juros sobre o restante da dívida que fica para o próximo mês, que podem variar de 6 a 10%, mais as multas”, diz Farinhas. Ou seja, é dinheiro que você paga sem comprar nada! Somam-se a isso as novas compras e parcelas e o resultado: um pesadelo financeiro! Não vai conseguir pagar a fatura? O jeito é reduzir o prejuízo: “Negocie com a família e até vale usar alguns dias do cheque especial, que cobra juros menores. Vantagens de ter um cartão de crédito Apesar de tantos cuidados, o cartão de crédito pode trazer vantagens. Ao fazer compras, você acumula pontos e pode trocá-los por produtos, ganhar descontos em lazer, como cinema e teatro, ou...

Leia Mais »

Manter em Dia o Orçamento Doméstico

Manter em Dia o Orçamento Doméstico Como fazer sua própria planilha: • Reúna os comprovantes de pagamento de todas as contas dos últimos três meses ou pelo menos do último mês, incluindo as faturas dos cartões de crédito e os extratos bancários. •Anote as receitas, como salário ou rendas. •Relacione, na coluna de despesas, todos os gastos do último mês, dividindo-os entre fixos, semifixos e variáveis. •Compare o valor total das despesas com a receita do mês e calcule o saldo (ou déficit). •Se houver sobras, aplique-as no mercado financeiro, num fundo de investimentos que na média rende 1% líquido ao mês. •Se a conta estiver zerada, comece a planejar uma redução dos custos, de modo a garantir sobras para aplicação no mês seguinte. •Se a conta estiver negativa, prepare-se para reduzir as despesas, começando pelos gastos variáveis. •Crie duas colunas, uma para ‘‘orçamento previsto’’ e outra para ‘‘orçamento executado’’. Na primeira, enumere todos os seus gastos no próximo mês, já considerando eventuais cortes com despesas variáveis. •Terminado o mês, relacione na coluna ‘‘orçamento executado’’ todas as despesas no período para confrontá-las com as previstas. •Se os ajustes feitos não forem suficientes para garantir uma sobra de caixa ou pelo menos reverter o déficit, corte novos gastos variáveis (como supérfluos) ou comece a economizar nas despesas semifixas. O QUE INCLUIR NO ORÇAMENTO •Despesas fixas: prestação do imóvel / aluguel, condomínio, planos de saúde e de previdência privada, mensalidade escolar, faxineira / empregada doméstica, cursos de idiomas, academia de ginástica. •Despesas semifixas: supermercado, feira, açougue, energia elétrica, gás, telefone, combustível, prestação do carro e de outros bens e serviços, assinaturas de jornais, revistas, Internet e TV a cabo. •Despesas variáveis: roupas, calçados, bares, restaurantes, teatro, cinema, shows, farmácias, viagens, livrarias, presentes, locadoras, seguros, impostos, lavanderia, salão de beleza, cafezinho, pizza, juro do cheque especial e empréstimos pessoais, tarifas bancárias, gorjetas e esmolas. RECEITAS •Salário(s) •Pró-labore •Receita de investimentos DESPESAS Com a casa •Condomínio •Aluguel •Prestação de financiamento •IPTU •Água/luz/gás •Telefone (fixo e celular) •Tevê por assinatura •Provedor de Internet •Supermercado/feira/padaria •Reparos/manutenção •Empregados domésticos/diarista Com educação •Mensalidades escolares •Cursos extra- curriculares •Livros escolares •Seminários/palestras •Transporte escolar •Lanche Com lazer •Cinema/teatro/show •Restaurantes •Viagens •Discos/livros •Jornais/revistas •Aluguéis de filmes/jogos/DVDs Com transporte •Combustível •Manutenção/IPVA/multas •Seguro •Financiamento •Táxi/ônibus/metrô Com saúde •Seguro •Médico particular •Exames laboratoriais •Dentista •Farmácia •Academia de ginástica Diversas •Vestuário •Presentes •Salão de beleza •Hobbies •Doações •Seguros •Anuidade do cartão de crédito •Tarifas bancárias •Previdência DÍVIDAS •Prestações de crédito •Juros do cartão de crédito •Juros do cheque...

Leia Mais »

Dicas para Controlar o Orçamento Doméstico

Dicas para Controlar o Orçamento Doméstico O orçamento doméstico funciona como uma balança: ajuda a manter o equilíbrio entre nossa receita (quanto ganhamos) e as despesas mensais (quantos gastamos). 1. Entenda o que é renda Trata-se do dinheiro que você ganha como… Autônoma: Recebe honorários sobre o que produz. Trabalhadora empregada: Possui salário fixo mais benefícios ( ex: vale-refeição). Aposentada ou pensionista: Conta com salário do INSS ou pensão. 2. Identifique suas despesas Elas se dividem em três grupos… Fixas: Contas mensais que têm sempre a mesma data para pagar. Exemplos: água, luz, telefone, empréstimo bancário, seguro do carro, escola das crianças, financiamento do carro. Variáveis: Gastos do dia a dia, normalmente pagos à vista, em dinheiro, no débito automático ou no cartão de crédito. Exemplos: feira, padaria, remédios, cinema em família. Especiais: Gastos emergenciais ou programados com antecedência. Exemplos: doença, acidente, impostos, consertos em geral, material escolar, presentes de Natal, festa 3. Elabore um planejamento… e compare no fim do mês! O planejamento deve ser feito no começo de cada mês e conter o dinheiro que entra (Receita) e o que imagina que vai gastar (Previsão). No fim do mês, complete a coluna de Gastos Reais e compare com a de Previsão. Assim, conseguirá ver direitinho para onde vai a grana da família. Não deixe de incluir nas despesas parcelas de dívidas que você já tem! 4. Anote todos os gastos Em um calendário ou caderninho, anote todas as despesas, independentemente do valor: até as baratinhas devem entrar na conta! E, para facilitar a vida, registre-as diariamente. 5. Verifique o saldo Para fechar o orçamento do mês, pegue a calculadora e subtraia o total das despesas do total da receita. Se o saldo for POSITIVO (ou seja, sobrou dinheiro no fim do mês como no exemplo), parabéns! Mas não saia gastando: coloque uma parte na poupança. Se o saldo der NEGATIVO, reveja seus gastos e corte despesas. Ou então, tente ganhar um extra para equilibrar as contas e evitar a bola de neve do...

Leia Mais »